A cor mais bela é a transparência

Vivemos em um mundo de aparência.

Gerson, você não está generalizando? Sim! Acreditando que há, de fato, pessoas que sejam transparentes, mas essas, a meu ver, são aquelas que saem da curva.

Vivemos em um mundo de aparência, onde as pessoas vestem máscaras ou vivem papeis. Falta transparência, autenticidade, verdade. O mundo e as pessoas parecem mais viver uma ilusão ou fazem do mundo um conto de fantasias. Falta verdade nas pessoas. Falta assumirem seus erros, suas culpas, suas crenças, suas ideologias, seus ideais, etc.

Por que a opinião do outro parece ser tão importante?

Por que nos importamos tanto com as aparências?

Por que, de repente, as coisas ou status se tornaram mais importantes que pessoas?

Acontece que viver de aparência exige que vistamos máscaras, máscaras que ocultam nossa verdadeira face, nosso verdadeiro ‘eu’. Mundo de aparência, mundo de falsidades, mundo de incoerências e hipocrisia.

Posso estar tendo uma visão muito pessimista, mas ver uma pessoa íntegra, coerente, verdadeira, justa, honesta é algo que chama a nossa atenção, quando deveria ser o contrário – o que deveria chamar a nossa atenção seria o desonesto, o injusto, o falso, o traíra…

De certa forma, ser verdadeiro hoje requer coragem, uma coragem audaciosa que faz aquele que assim vive, ir contra a maré.

Estou cansado de viver num mundo de aparências. Vamos deixar as máscaras caírem. Temos coragem para isso? Coragem (agir com o coração) de sermos quem realmente somos? De viver segundo o nosso coração e não segundo a opinião dos outros? Temos coragem de assumirmos nosso verdadeiro eu frente a um mundo que quer ser ‘politicamente correto’?

Sabe aquela pessoa que você não gosta? Seja educado, mas não falso.

Sabe aquela pessoa que você ama? Seja honesto, carinhoso e fiel.

Sabe aquele emprego que não te traz realização? Procure outro.

Sabe aqueles sonhos que você sufocou e se perderam no nada? Corra atrás deles.

Sabe aquela viagem importante que você considera? Faça.

Sabe aquela desculpa de que não tem tempo ou vontade? Acredite em você e se programe.

Sabe aquela pessoa que te inspira? Use a inspiração, não a pessoa como modelo.

Seja você. Afinal, você só é você se você for você. Mas você tem sido você ou outro alguém? Tem-se permitido ser você ou deixado que os outros ditem a escrita da sua vida?

Seja a diferença. Faça a diferença. O mundo está repleto de iguais.

Que o amor não seja fingido…

Às vezes, a realidade dá um jeitinho de vir de fininho e dar um beliscão na tua bunda. E quando a represa estoura, a única coisa que você pode fazer é sair nadando. O mundo do fingimento é uma jaula, não um casulo. Nós só conseguimos mentir pra nós mesmos por um tempo. A gente fica cansado, com medo e negar isso não muda a verdade. Cedo ou tarde, a gente tem que deixar a negação de lado e encarar o mundo. Ande com a cabeça erguida, com vontade. O Nilo não é apenas um rio no Egito – é todo um oceano. Então como você faz para não se afogar nele?

Esse discurso está na série Grey’s Anatomy (2×04).

Esse discurso me fez pensar em como suportamos tantas coisas, tantas provas. Sufocamos tantos sonhos, tantos desejos, tantos pensamentos que, inevitavelmente, acabam represados em nossa alma. Infelizmente, à maneira da água, somos sufocados. Não aguentamos tanta pressão e nos vemos submergidos.

Desde a infância, passando pela adolescência, chegando à fase adulta e culminando na senelidade. Tantas coisas que vamos vivendo e essas lembranças não se apagam. Pois é. Elas não se apagam – mesmo que não lembremos, elas estão lá em algum lugar do nosso inconsciente.

Mentiras, ilusões, alegrias, esperanças, desejos… Quantas coisas ficam gravadas em nós. Somos aquilo que fazemos, somos aquilo que pensamos, somos aquio que sentimos. Somos também todas as nossas lembranças. Umas apontam para o nosso passado, outras para o nosso presente, outras ainda, para o nosso futuro. Mas não podemos negar quem somos.

Somos o resultado de uma grande, exuberante e formidável construção que parece não ter fim. Estamos em constante construção e re-construção. Nos reconstruímos, nos refazemos, nos modelamos todos os dias. Mas não desanimamos, pois o desânimo é um claro sinal de derrota. Pelo contrário, partimos em busca de algo que nos motiva, nos impulsiona a continuar vivendo, indo além… E esse algo é, na verdade, o reflexo da construção da melhor versão de nós mesmos.

Entre trancos e barrancos, como soldados feridos, vamos lutando na vida. Concorde comigo ou não, mas a verdade de si deve ser a base para essa luta constante que travamos com nós mesmos. A verdade deve ser o vínculo de nossas relações. Como falou nossa narradora: o fingimento é uma jaula e não um casulo – a jaula aprisiona; o casulo transforma.

Você pode não ser a melhor pessoa do mundo. Nem por isso precisa fingir que é. Não seja o que voce não é. Se assuma enquanto tal. Como diz o apóstolo Paulo, ‘que nosso amor não seja fingido’, nem pelos outros, nem por nós mesmos.

Concorda?

A cor mais bela é a transparência

Vivemos em um mundo de aparência.

Gerson, você não está generalizando? Sim! Acreditando que há, de fato, pessoas que sejam transparentes, mas essas, a meu ver, são aquelas que saem da curva.

Vivemos em um mundo de aparência, onde as pessoas vestem máscaras ou vivem papeis. Falta transparência, autenticidade, verdade. O mundo e as pessoas parecem mais viver uma ilusão ou fazem do mundo um conto de fantasias. Falta verdade nas pessoas. Falta assumirem seus erros, suas culpas, suas crenças, suas ideologias, seus ideais, etc.

Por que a opinião do outro parece ser tão importante?

Por que nos importamos tanto com as aparências?

Por que, de repente, as coisas ou status se tornaram mais importantes que pessoas?

Acontece que viver de aparência exige que vistamos máscaras, máscaras que ocultam nossa verdadeira face, nosso verdadeiro ‘eu’. Mundo de aparência, mundo de falsidades, mundo de incoerências e hipocrisia.

Posso estar tendo uma visão muito pessimista, mas ver uma pessoa íntegra, coerente, verdadeira, justa, honesta é algo que chama a nossa atenção, quando deveria ser o contrário – o que deveria chamar a nossa atenção seria o desonesto, o injusto, o falso, o traíra…

De certa forma, ser verdadeiro hoje requer coragem, uma coragem audaciosa que faz aquele que assim vive, ir contra a maré.

Estou cansado de viver num mundo de aparências. Vamos deixar as máscaras caírem. Temos coragem para isso? Coragem (agir com o coração) de sermos quem realmente somos? De viver segundo o nosso coração e não segundo a opinião dos outros? Temos coragem de assumirmos nosso verdadeiro eu frente a um mundo que quer ser ‘politicamente correto’?

Sabe aquela pessoa que você não gosta? Seja educado, mas não falso.

Sabe aquela pessoa que você ama? Seja honesto, carinhoso e fiel.

Sabe aquele emprego que não te traz realização? Procure outro.

Sabe aqueles sonhos que você sufocou e se perderam no nada? Corra atrás deles.

Sabe aquela viagem importante que você considera? Faça.

Sabe aquela desculpa de que não tem tempo ou vontade? Acredite em você e se programe.

Sabe aquela pessoa que te inspira? Use a inspiração, não a pessoa como modelo.

Seja você. Afinal, você só é você se você for você. Mas você tem sido você ou outro alguém? Tem-se permitido ser você ou deixado que os outros ditem a escrita da sua vida?

Seja a diferença. Faça a diferença. O mundo está repleto de iguais.