Meu amor por mim

Os romanos tinham um dito muito significativo: “ninguém dá aquilo que não tem“.

Posso dizer uma coisa pra você? Eu concordo. Se me pedirem algo que eu não tenho, como poderei dar? Sem chance.

Com base nisso, gostaria de partilhar um pouco a minha opinião sobre relacionamentos afetivos.

Se não me amo, como poderei dar amor? Se não me cuido, como poderei cuidar do outro?

Acredito que sem esse amor próprio, a relação acaba sendo uma propriedade, uma dependência, uma superficialidade, ou qualquer outra coisa, mas não uma relação de amor.

Uma relação de amor envolve respeito, cumplicidade, diálogo, dedicação, carinho, afeto, interesse pelo outro, e tantas outras coisas… De ambas as partes. Um tem que cuidar do outro, respeitar o outro, desejar o outro, etc… Contudo, isso parte de mim, de algo que eu tenho comigo e posso compartilhar com o outro.

Em um relacionamento afetivo quando uma das pessoas envolvidas não se enxerga como alguém que merece respeito, cuidado, amor, carinho, ela passa a se ver numa prisão. Pois é, a relação que poderia leva-la ao céu, acaba a encaminhando para o inferno; o que seria um oásis se tornou uma jornada difícil de ser encarada.

Não posso aprisionar o outro, depender do outro ou fazer do outro meu bonequinho; sem esquecer de mencionar de que não podemos, também, tornar o outro meu porto seguro. O convívio afetivo entre as pessoas envolvidas é feito por pessoas e não por uma pessoa. Assim, ambos vivem um para o outro, mas sem esquecer a sua individualidade.

Não entre numa relação que te diminua; não vale o investimento ou o esforço. Invista, sim, em alguém que te valorize, que faça você alçar voo, que lhe ajuda a tirar as camadas daquilo que impede você de encontrar a melhor versão de você mesmo(a).

Tenha você como alguém de peso, alguém importante, mesmo dentro de um relacionamento. A partir do momento que você se valorizar enquanto uma pessoa, que de fato, tem valor, que é única, importante, de valor incalculável, então suas ações, seus relacionamentos, sua vida, tudo será vivenciado com aquilo que você tem de melhor, ou seja, você mesmo.

Apaixone-se por você. Repito: Apaixone-se por você.

Talvez já esteja na hora de ter uma conversa bem séria com aquela pessoa do espelho e mostrar que ela é muito melhor do que está sendo, que ela é um diamante (talvez bruto que precise ser lapidado), que ela é alguém que deve ser tido como alguém, inclusive por ela mesma.

A pergunta é: ‘Espelho, espelho meu. Existe alguém mais lindo(a) do que eu?’. Não pode perguntar se existe alguém mais horrível, mais estúpido, mais idiota, mais qualquer outra coisa que te coloque pra baixo. Entende?

Não dê tesouros para os outros enquanto você vive de migalhas. É muito melhor partilhar do tesouro que há dentro de si! Cuide de você; cuide de seu coração, e transborde o que há em você!

Faça a experiência!

Somos tão únicos!

Você já parou para pensar….

Vivemos em um planeta fascinante, com uma natureza espetacular…. São seres vivos de milhares de espécie que dividem e vivem em um único planeta: a Terra.

A Terra é o terceiro planeta daquele que chamamos de Sistema Solar, cuja estrela é o Sol. Todavia, graças a os avanços da ciência hoje sabemos que o Sol é somente uma estrela no meio de milhões de outras estrelas que, juntas, compõem o que chamamos de galáxia – a Via Láctea. Entretanto, a Via Láctea é somente uma galáxia no meio de milhões de galáxias que, juntas, formam o Universo.  Pela teoria da relatividade, hoje já não falamos mais em universo, mas em multiversos…. Nesse espaço infinito encontramos asteroides, constelações, buracos negros, nebulosas, pulsares, e tantas outras coisas.

Depois de toda essa apresentação (voltando para a Terra) perguntamo-nos quem nós somos? Incrível que um infinito acima de nossas cabeças exista e possa nos engolir a qualquer momento.

Imagem da Nebulosa de Órion. Fonte: Revista Galileu

Se já estava dramática a cena acima, imagine agora que na Terra existem cerca de alguns milhões de espécies de seres vivos. Dentre essas milhões de espécies há uma especifica que chama a atenção: o homo sapiens – a humanidade. Essa espécie ‘homo sapiens’ possui um registro de cerca de 7 bilhões de indivíduos e você é apenas um deles. Ou seja, você é um indivíduo de uma espécie de 7 bilhões de indivíduos que habita um planeta que comporta de 3 a 4 milhões de espécies conhecidas. Todas essas espécies habitam um planeta chamado Terra que é apenas o terceiro num sistema solar que é apenas um dentre milhões de tantos outros que formam uma galáxia, que por sua vez é apenas um dentre outras milhões que formam o universo.

Gerson? Oi. Me empolguei…. Cara, incrível, mas olhando sob esse espectro, não somos nada!

Por outro lado, incrível como você e eu e cada um dos indivíduos dessa espécie ‘homo sapiens’ é único. Ou seja, não há repetição. Você é único e não existe ninguém no mundo igual a você. Por mais que as combinações genéticas beirem o 100%, mesmo assim, não empata nos 100%. Meus parabéns!!! No meio de todo esse infinito vasto, você ainda é único!

Não queira ser como os outros. Seja você mesmo. Se ame como um ser singular que existe na Terra. Faça a diferença e busque a melhor versão de si mesmo. Afinal, você é único. Nunca houve e nem haverá alguém igual a você!

Todos nascemos originais e morremos cópias, dizia Carl Jung. Chegou a hora de viver a sua originalidade!

Meu amor por mim

Os romanos tinham um dito muito significativo: “ninguém dá aquilo que não tem“.

Posso dizer uma coisa pra você? Eu concordo. Se me pedirem algo que eu não tenho, como poderei dar? Sem chance.

Com base nisso, gostaria de partilhar um pouco a minha opinião sobre relacionamentos afetivos.

Se não me amo, como poderei dar amor? Se não me cuido, como poderei cuidar do outro?

Acredito que sem esse amor próprio, a relação acaba sendo uma propriedade, uma dependência, uma superficialidade, ou qualquer outra coisa, mas não uma relação de amor.

Uma relação de amor envolve respeito, cumplicidade, diálogo, dedicação, carinho, afeto, interesse pelo outro, e tantas outras coisas… De ambas as partes. Um tem que cuidar do outro, respeitar o outro, desejar o outro, etc… Contudo, isso parte de mim, de algo que eu tenho comigo e posso compartilhar com o outro.

Em um relacionamento afetivo quando uma das pessoas envolvidas não se enxerga como alguém que merece respeito, cuidado, amor, carinho, ela passa a se ver numa prisão. Pois é, a relação que poderia leva-la ao céu, acaba a encaminhando para o inferno; o que seria um oásis se tornou uma jornada difícil de ser encarada.

Não posso aprisionar o outro, depender do outro ou fazer do outro meu bonequinho; sem esquecer de mencionar de que não podemos, também, tornar o outro meu porto seguro. O convívio afetivo entre as pessoas envolvidas é feito por pessoas e não por uma pessoa. Assim, ambos vivem um para o outro, mas sem esquecer a sua individualidade.

Não entre numa relação que te diminua; não vale o investimento ou o esforço. Invista, sim, em alguém que te valorize, que faça você alçar voo, que lhe ajuda a tirar as camadas daquilo que impede você de encontrar a melhor versão de você mesmo(a).

Tenha você como alguém de peso, alguém importante, mesmo dentro de um relacionamento. A partir do momento que você se valorizar enquanto uma pessoa, que de fato, tem valor, que é única, importante, de valor incalculável, então suas ações, seus relacionamentos, sua vida, tudo será vivenciado com aquilo que você tem de melhor, ou seja, você mesmo.

Apaixone-se por você. Repito: Apaixone-se por você.

Talvez já esteja na hora de ter uma conversa bem séria com aquela pessoa do espelho e mostrar que ela é muito melhor do que está sendo, que ela é um diamante (talvez bruto que precise ser lapidado), que ela é alguém que deve ser tido como alguém, inclusive por ela mesma.

A pergunta é: ‘Espelho, espelho meu. Existe alguém mais lindo(a) do que eu?’. Não pode perguntar se existe alguém mais horrível, mais estúpido, mais idiota, mais qualquer outra coisa que te coloque pra baixo. Entende?

Não dê tesouros para os outros enquanto você vive de migalhas. É muito melhor partilhar do tesouro que há dentro de si! Cuide de você; cuide de seu coração, e transborde o que há em você!

Faça a experiência!

Somos tão únicos!

Você já parou para pensar….

Vivemos em um planeta fascinante, com uma natureza espetacular…. São seres vivos de milhares de espécie que dividem e vivem em um único planeta: a Terra.

A Terra é o terceiro planeta daquele que chamamos de Sistema Solar, cuja estrela é o Sol. Todavia, graças a os avanços da ciência hoje sabemos que o Sol é somente uma estrela no meio de milhões de outras estrelas que, juntas, compõem o que chamamos de galáxia – a Via Láctea. Entretanto, a Via Láctea é somente uma galáxia no meio de milhões de galáxias que, juntas, formam o Universo.  Pela teoria da relatividade, hoje já não falamos mais em universo, mas em multiversos…. Nesse espaço infinito encontramos asteroides, constelações, buracos negros, nebulosas, pulsares, e tantas outras coisas.

Depois de toda essa apresentação (voltando para a Terra) perguntamo-nos quem nós somos? Incrível que um infinito acima de nossas cabeças exista e possa nos engolir a qualquer momento.

Imagem da Nebulosa de Órion. Fonte: Revista Galileu

Se já estava dramática a cena acima, imagine agora que na Terra existem cerca de alguns milhões de espécies de seres vivos. Dentre essas milhões de espécies há uma especifica que chama a atenção: o homo sapiens – a humanidade. Essa espécie ‘homo sapiens’ possui um registro de cerca de 7 bilhões de indivíduos e você é apenas um deles. Ou seja, você é um indivíduo de uma espécie de 7 bilhões de indivíduos que habita um planeta que comporta de 3 a 4 milhões de espécies conhecidas. Todas essas espécies habitam um planeta chamado Terra que é apenas o terceiro num sistema solar que é apenas um dentre milhões de tantos outros que formam uma galáxia, que por sua vez é apenas um dentre outras milhões que formam o universo.

Gerson? Oi. Me empolguei…. Cara, incrível, mas olhando sob esse espectro, não somos nada!

Por outro lado, incrível como você e eu e cada um dos indivíduos dessa espécie ‘homo sapiens’ é único. Ou seja, não há repetição. Você é único e não existe ninguém no mundo igual a você. Por mais que as combinações genéticas beirem o 100%, mesmo assim, não empata nos 100%. Meus parabéns!!! No meio de todo esse infinito vasto, você ainda é único!

Não queira ser como os outros. Seja você mesmo. Se ame como um ser singular que existe na Terra. Faça a diferença e busque a melhor versão de si mesmo. Afinal, você é único. Nunca houve e nem haverá alguém igual a você!

Todos nascemos originais e morremos cópias, dizia Carl Jung. Chegou a hora de viver a sua originalidade!